Blog Julio O. Amado

Começou ontem, 18 de janeiro,  a 6ª edição do festival de cinema ” My French Film Festival’. Trata-se de um festival online de cinema com exibição de filmes franceses. Os filmes podem ser vistos gratuitamente, pela internet, e são legendado para o português.

A seleção de 2016 conta com dez longas-metragens e dez curtas-metragens franceses que os internautas são convidados a votar, escolhendo seus filmes preferidos, podendo também deixar seus comentários no site. Há também na seleção dois filmes belgas em competição e, fora de competição, com um filme antigo e dois filmes francófonos canadenses.

Para assistir aos filmes e participar basta fazer o cadastro no site do festival: http://www.myfrenchfilmfestival.com/pt/

O Festival de Gramado anunciou nesta terça-feira, 30 de junho, os filmes selecionados e as homenagens programadas para a sua 43ª edição.  Quatro mostras competitivas reúnem oito longas-metragens brasileiros, sete longas estrangeiros, 15 curtas-metragens nacionais e 15 curtas gaúchos. As homenagens deste ano serão concedidas à atriz Marília Pera e ao ator e cineasta Daniel Filho. O evento acontece entre os dias  7 e 15 de agosto.

Confira abaixo os filmes selecionados para as mostras competitivas:

Longas-Metragens Brasileiros

“Ausência”, de Chico Teixeira (SP)
“Introdução à música do sangue”, de Luiz Carlos Lacerda (RJ)
“O fim e os meios”, de Murilo Salles (RJ)
“O outro lado do paraíso”, de André Ristum (DF)
“O último cine drive-in”, de Iberê Carvalho (DF)
“Ponto Zero”, de José Pedro Goulart (RS)
“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert (SP)
“Um homem só”, de Cláudia Jouvin (RJ)

Longas-Metragens Estrangeiros

“Ella”, de Libia Stella Gómez (Colômbia)
“En la estancia”, de Carlos Armella (México)
“La Salada”, de Juan Martin Hsu (Argentina)
“Ochentaisiete”, de Anahi Hoeneisen e Daniel Andrade (Equador)
“Presos”, de Esteban Ramírez Jímenez (Costa Rica)
“Venecia”, de Kiki Alvarez (Cuba)
“Zanahoria”, de Enrique Buchichio (Uruguai)

Curtas-Metragens Brasileiros

“Bá”, de Leandro Tadashi (SP)
“Como são cruéis os pássaros da alvorada”, de João Toledo (MG)
“Dá licença de contar”, de Pedro Serrano (SP)
“Enquanto o sangue coloria a noite, eu olhava as estrelas”, de Felipe Arrojo Poroger (SP)
“Haram”, de Max Gaggino (BA)
“Heroi”, de Pedro Figueiredo (SP)
“Macapá”, de Marcos Ponts (MA)
“Miss & Grubs”, de Camila Kamimura e Jonas Brandão (SP)
“Muro”, de Eliane Scardovelli (SP)
“O Corpo”, de Lucas Cassales (RS)
“O teto sobre nós”, de Bruno Carboni (RS)
“Quando parei de me preocupar com canalhas”, de Tiago Vieira (SP/GO)
“S2”, de Bruno Bini (MT)
“Sêo Inácio (ou o cinema imaginário)”, de Helio Ronyvon (RN)
“Virgindade”, de Chico Lacerda (PE)

Curtas-Metragens Gaúchos

“Arte da loucura”, de Karine Emerich e Mirela Kruel (Porto Alegre)
“Atrás da sombra”, de Luciana Mazeto e Vinícius Lopes (Porto Alegre)
“Bruxa de fábrica”, de Jonas Costa (São Leopoldo)
“Consertam-se gaitas”, de Ana Cris Paulus, Boca Migotto e Felipe Gue Martini (Bento Gonçalves)
“Da vida só espero a morte”, de Júlia Ramos (Porto Alegre)
“De que lado me olhas”, de Carolina de Azevedo e Elena Sassi (São Leopoldo)
“Kaali”, de Gabriel Motta Ferreira (Porto Alegre)
“Nes pas projeter”, de Cristian Verardi (Porto Alegre)
“O Corpo”, de Lucas Cassales (Porto Alegre)
“O Sonho, o limiar e a porta que metamorfoseia”, de Gustavo Spolidoro (Porto Alegre)
“Pele de concreto”, de Daniel de Bem (Porto Alegre)
“Plano”, de Virginia Simone, Carlos Dias e Matheus Walter
“Quanto mais suicida, menos suicida”, de Maurício Canterle Gonçalves (Santa Maria)
“Rito sumário”, de Alexandre Derlam (Porto Alegre)

 

Festival de Contos SOMOS ARO

O primeiro Festival Virtual de Curtas Somos Afro tem inscrições abertas até o dia 28 de novembro. As inscrições, gratuitas, deverão ser feitas por meio da plataforma Filmud Movsend, desenvolvida pelo próprio site do festival. O evento, que será realizado pela internet entre os dias 1º de abril e 21 de maio de 2015, tem como objetivo a divulgação da identidade negra da América Latina e do Caribe, com temáticas que reforcem propostas sociais, culturais, políticas e econômicas da sociedade.

 

Dentro desta temática, o festival exibirá curtas-metragens de até 30 minutos, em qualquer formato, desde que produzidos a partir de 2013 e que reivindiquem o papel das comunidades negras do mundo. Terão prioridades filmes que nunca tenham sido inscritos em outros festivais online.

 

A seleção é aberta a produtores de qualquer nacionalidade e será dividida em três etapas:  na primeira, serão selecionados 45 curtas pela curadoria e 5 pela empresa Atalaya Itinerante; na segunda, o público elegerá 15 dos 50 curtas selecionados na fase anterior, que ficarão disponíveis no site do festival; na terceira fase, jurados especializados escolherão os 3 vencedores. Para mais detalhes sobre o processo de inscrição, consulte o regulamento, disponível no site.

 

Premiação

 

A premiação do festival será no dia 21 de maio, em comemoração ao Dia Mundial da Diversidade Cultural. O primeiro colocado receberá um prêmio no valor de 10 mil dólares; o segundo ganhará uma licença do software Script Doctor e uma câmera GoPro Hero 3; e o terceiro colocado terá seu próximo curta produzido disponível em DCP (Digital Cinema Package).

 

Além da premiação para os vencedores, o público também concorrerá a prêmios. O participante que postar uma foto que represente as origens do festival e tiver mais curtidas receberá uma GoPro Hero 3 e terá sua foto divulgada no site do Somos Afro.

Para mais informações, acesse o site oficial do Festival Virtual de Curtas Somos Afro.

 

Fonte:  ANCINE