Em sua 20ª edição, a Ordem do Mérito Cultural premiará, no próximo dia 5 de novembro, 26 pessoas e quatro entidades que, com seu trabalho, contribuíram para valorizar a cultura no país. A premiação anual é realizada no Dia Nacional da Cultura e a lista com o nome dos agraciados foi publicada na edição desta quarta–feira (29/10) do Diário Oficial da União (DOU). Entre eles estão a cantora Marisa Monte, o chef de cozinha Alex Atala, a atriz Patrícia Pillar, o rapper Mano Brown, o autor Chico de Assis, entre outros.
Na edição deste ano, a arquiteta Lina Bo Bardi e a artista plástica Djanira da Motta e Silva serão homenageadas pela forte contribuição para a projeção e a identidade cultural brasileira.
A premiação da Ordem do Mérito Cultural é composta por três classes: Grã-Cruz, Comendador e Cavaleiro.
O maestro Júlio Medaglia, roteirista, o diretor Orlando Senna e os familiares do falecido pintor Jenner Augusto receberão o título de Grã-Cruz.
Na classe Comendador foram agraciados Bernardo Paz (idealizador do Centro de Arte Contemporânea Inhotim); Henricredo Coelho (mais conhecido como Palhaço Gafanhoto); Luiz Angelo da Silva (Ogan Luiz Bangbala); a cantora Marisa Monte; a atriz Patrícia Pillar e o falecido chef Paulo de Aráujo Leal Martins.
Na classe Cavaleiro, os premiados foram o chef Alex Atala; o ator e diretor Celso Frateschi; a escritora Eliane Potiguara; o autor e ator Chico de Assis; o antropólogo Hermano Vianna; o sertanista José Meirelles; a falecida cantora Vange Leonel; o ator Matheus Nachtergaele; o estilista Oskar Metsavaht; o rapper Mano Brown; o mestre da cultura popular Tião Oleiro e a dupla sertaneja Bruno e Marrone.
A escritora Adélia Prado e o jornalista Washington Novaes foram promovidos para a Classe Grã-Cruz. O cantor Pinduca e a coreografa Angel Vianna também receberam promoção para a Classe Comendador.
As quatro entidades foram agraciadas, sem grau de classe. São elas: Escola de Gente (ONG de inclusão social); o grupo de dança Ciranda de Tarituba; Fundação Sara Kali (com atividades de inclusão do povo cigano) e o Grupo Cena 11 Cia. de Dança.

Histórico

Criado em 1991 pela Lei n° 8.313 e regulamentado pelo Decreto n° 1.711 de 1995, o prêmio anual já foi entregue a mais de 500 personalidades e a 60 instituições.
Órgãos e entidades públicas e privadas, nacionais e estrangeiras, são admitidos sem grau de classes. A escolha dos nomes dos agraciados segue um rito que permite a participação da sociedade. Os nomes aprovados pelo Conselho da Ordem do Mérito Cultural seguem para a Presidência da República e são publicados no Diário Oficial da União (DOU).
As propostas de admissão e promoção na Ordem são de responsabilidade do Conselho da Ordem do Mérito Cultural, composto pela Ministra da Cultura, que o preside na qualidade de Chanceler, e pelos Ministros de Estado das Relações Exteriores, da Educação e do Desporto e da Ciência e Tecnologia.
Música, moda, artes plásticas, audiovisual, literatura, gastronomia, culturas populares, tradicionais, afro e indígena são alguns dos segmentos presentes na premiação.
Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura